Carbon Made – Book release

I’ve written a book! Pre-order is available at Amazon.com, and the official release date will be August 3rd.

Carbon Made is a poetry anthology, written in English and exclusively published in eBook format. It is a blend of lyricism, memoirs, sensations and fantastic literature.

Along the next week I’ll update my blog and Facebook page with further selling information. I will also release some content preview, so stay tuned!

Just to emphasise this: pre-order is already available at Amazon.com, and all purchases will be delivered, in digital format, starting from August 3rd.

The price is $2.99, because I intend it to be as accessible as possible. Other purchase methods will be available shortly, so if Amazon.com is not your favoured buying platform, soon you’ll be able to acquire the book from other sources.

That’s it for now! Please like my Facebook page (scroll down for other links and information) to keep up with the news. Spread the word to your friends and, if you’re interested, consider buying the eBook!

Independent publishing is a field in constant growth, and authors such as myself count on each of you people to support our work. ❤

Thank you!

Pre-order at Amazon.com: http://www.amazon.com/gp/product/B012C07UNK
Pre-order at Amazon BR: http://www.amazon.com.br/gp/product/B012C07UNK
My Facebook page: https://www.facebook.com/aestatuaria
Versão em português deste post: https://estatuaria.wordpress.com/carbon-made-lancamento-do-livro/

Anúncios

Inspiração – A arte de Lenka Simeckova

Como já mencionei no passado, frequentemente sinto certa conexão com a obra de artistas visuais. Acredito que o visual possui apelo imenso – e traz consigo o poder de estreitar a trama que une o leitor à obra.

As histórias e cenários que imagino são ricos em conteúdo estético. Por isso, gosto de adicionar imagens às palavras, como forma de proporcionar uma conexão tangível entre o idealizado e o apreendido.

Lenka Simeckova é uma artista com a qual me identifiquei desde que descobri suas obras.

Continuar lendo

Sobre artes que convergem

De tempos em tempos, encontro artistas visuais cujas obras me remetem imediatamente aos meus textos e aos temas que me inspiram, ao escrever. Listei abaixo algum dos ilustradores com os quais mais tenho sentido essa conexão:

Ania Tomicka

O trabalho da Ania Tomicka possui uma beleza lúgubre. Fala de fantasmas antigos, de domínios que se tocam e se fundem – sonhos, consciências, espectros. Gosto da ideia de realidades que se assombram mutuamente, e a arte da Ania Tomicka me remete a algo assim. As personagens de suas obras sempre parecem traçar certo tipo de contato com algo imaterial, matéria intangível mas de presença contínua.

divider

Dan Hillier

Não conheço o Dan Hillier há tanto tempo, mas a ilustração acima despertou minha curiosidade sobre ele. A partir daí, procurei mais sobre sua arte, e tudo o que descobri me levou a um estado de encanto e identificação. O que vejo são insinuações de teriantropia e carnalidade, do humano interligado à animalidade. São temas que me atraem e que tendo a explorar, ao escrever.

divider

Mia Araujo

Ela conta histórias de rainhas, concubinas e demônios, desvela tramas inteiras por meio de não mais que uma imagem.  Talvez a razão pela qual me identifico seja essa: suas ilustrações, deliberadamente, tornam-se contos, palavras que se expandem e se moldam a cada olhar.

divider

Caroline Jamhour

O trabalho da Caroline Jamhour significa muito para mim. É difícil descrevê-lo – há a complexidade latente da arte, e há algo mais. As temáticas mesclam-se e transforam-se, criam um enredo fascinante de mitologias, misticismos, demonologia, alquimia. Sinto uma combinação dos aspectos que mais me atraem sobre a arte de outros ilustradores: a beleza assombrada, o humano em comunhão com o animal, certa carnalidade, insinuações de contos e enredos em cada imagem.

A Tale of Mischief

ImageCartas do Vertigo Tarot, arte de Dave McKean

 

Devils watch
Devils stand at the top of their realm, wings unfurled
Mayhem lies where deathbeads are yet to consumate
Flesh is bare
Poison curls at the tip of his fingers, his tools long disposed
Strength is worth
And a feast made of delicacies is his treat to consume

Hunger stings
But indulgent, his yearnings lean towards most lustful devices
Snares at hand
By a game of tantalization, his mighty prey falls
Candid heart
Rabbit bonded to the heavy strings of such kindly torment
Wolfish eyes
He postpones death by quietly sustaining bloodlusts satisfied.

 

Quimera – Uma introdução

Lamassu by AeryaelLamassu, por Caroline Jamhour

“Como uma quimera – parte mulher, parte bestialidade mítica.”

A luz entre paredes altivas, templos forjados do desejo, ilumina a cor de sua face; os fogos ardentes, as tochas da devoção.
Uma visão em seus panos, a fumaça perfumada embrenhada às frestas de sua pele. O ouro, a ágata lapidada ornam a lã em seus cabelos. Ela tem a paixão em suas mãos, doçura e vigor em seus lábios.
Um instante – um olhar à alma agrilhoada, enlevada pelo amor e fascínio. Filha das areias alvas, do enlace entre os ceus anis e rubros, a servidão rege sua sorte. Em deleite velado, ela aguarda, estática entre bálsamo e sabor. As chamas lhe pertencem, o instrumento da sublimação – a sacerdotisa, cabeça desnuda e vestes delgadas, é o receptáculo da catarse.
A soberana banqueteia-se dos frutos do tempo cálido, um espólio das criações áureas da terra. A forma de seu corpo – carne macia, nuances animalísticas -, confunde-se entre as noções da visão. Ainda que impercebida, a besta, em matéria e presença, é visível aos olhos da consciência plena.